Friday, April 18, 2008

Leve leve

Acordei hoje com a sensação de uma semana que não deveria ter começado. Até que profissionalmente não foi de todo ruim, mas na esfera pessoal foi meio complicadinho. A começar por sentir uma pressão forte por conta de negócios feitos em família, passando por uma bateria de bateção de boca que foi me irritando e me deixando mais pilhado. Mas nada me irritou e nada me irrita mais do que ver algo que é injusto acontecer, principalmente no tocante à saúde física das pessoas.

Como pode, alguém que você encontra, conversa está perfeito de saúde, de repente, por conta de uma distração, um descuido, o fio de vida, de força, some. To escrevendo pra desabafar, mesmo. Um amigo muito especial que cresceu comigo foi atropelado há dois dias e eu acabo de receber a notícia de que os médicos anunciaram sua morte cerebral. Como pode? Por que de sermos tão frágeis, e por que algumas pessoas têm que morrer? Que morram os maus, que morram os de coração ruim e duro. Mas não alguém que sempre foi a personificação da alegria, do cuidado, da doçura. Não um amigo que sempre deixava você pra cima e nunca, jamais o excluiu por ser ou pensar diferente. Não é algo que me deixa satisfeito, essa coisa da finitude, pior ainda as precoces, as brutais e as que me atingem.

"Vida louca, vida, vida breve. Já que eu não posso te levar, quero que você me leve, LEVE"!

Post dedicado ao meu irmão de fé Vamberg Alves!

Fim de semana vai ser bem triste.

1 comment:

/1279049es said...

Algumas coisas não nos cabe entender. A verdade é que sempre vamos nos perguntar "porque?". Mas tentar achar respostas pra isso vai além da nossa capacidade limitada de pequenos mortais. Eu até hoje não consegui me acostumar com certas coisas. E olha que eu já perdi pai aos 20 anos. Perdi duas boas amigas em acidente de trânsito. Se bem que seria bem esquisito se eu não me comovesse com essas coisas. Acontecimentos assim sempre nos deixam passados. O chavão "os bons morrem cedo" tem a sua razão de ser, assim como a expressão "vaso ruim não quebra". Ele fez o caminho que todos nós faremos um dia (idéia essa que eu ainda não assimilei). Mas o que conforta é o retorno ao Pai. Mesmo com o meu pensamento egóico de achar que "a pior coisa de se estar morto é saber que o mundo inteiro continua funcionando normalmente"*. O fato é que aqui não é nosso lugar. O que você pode fazer por ele é não esquecê-lo. Não esquecer do que foi bom. E ter a certeza de que em um bom lugar ele está. Deste modo ele poderá continuar a cumprir sua missão em paz.

*frase de João Paulo Cuenca.